histórias, poéticas, memórias: para uma práxis radical.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

O tempo em Natal se intercala entre sol e chuva, mas quando o sol se abre entre as nuvens a paisagem se desprende do inverno e me leva à praia quase correndo. Ali sempre conheço algum turista ou um nativo, com o qual me enveredo em conversas sobre a cidade de Natal, sobre a cidade de São Paulo, ou qualquer outro lugar já visitado por um de nós. Um desses encontros se deu com um casal ( uma potiguar e um coreano adotado por noruegueses) às vésperas do casamento. Residentes em Oslo, o casal estava em Natal apenas para um casamento útil, pois iria legalizar a brasileira na Noruega e poderiam, assim, viver alguns dias neste clima impensável para os padrões setentrionais europeus. Estavam acompanhados de um dos conselheiros do ABC ( o clube mais popular de Natal), que me contou em detalhes o seu sofrimento com o time em crise, ameaçado para a série C do brasileiro. Foi um dia de muito sol cujo tema era a Noruega e a fria pela qual passava o time potiguar. No fim depois de saber algumas peculiaridades de Oslo, como a outra sociabilidade de seus habitantes; depois de muita cerveja, e sol sobre o rosto, fui convidado para assistir ABC e São Caetano , mas cansado deixei de assistir a invernal goleada do time paulista por 4 x O.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Quem sou eu