histórias, poéticas, memórias: para uma práxis radical.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

teoria crítica ( um poema para Benjamin).

Óculos de vidro
Enxergam quebradiços
Suspiros
invisíveis a olho nu.

Muro no fundo
Da dor
Não vê sem óculos.

Flor a mercê
Da luz
Se vê sem óculos.

Mensch
mit Brille

vê,
no dia
Que se inicia,
a luz e a dor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Quem sou eu